8 de dezembro de 2017

O TRINO PARTIU... e AGORA?

Meus irmãos e irmãs, Salve Deus!


Creio que todos estão se
perguntando como ficará a Doutrina com a partida do Trino Ajarã. Surgem muitas
fofocas, conversas plantadas e os gregorinhos de plantão engordam com tanto
material a ser distribuído em suas maledicências.
Para responder este
questionamento é preciso primeiramente diferenciar a Doutrina do Amanhecer das
ordens jurídicas que a administram físico. Na parte material uma das ordens (a
CGTA) perdeu seu presidente e na parte espiritual a Doutrina como um todo,
perdeu um Trino, o Primeiro Doutrinador deste Amanhecer.
A falta do Mestre Gilberto para a
CGTA será irreparável, pois ninguém terá o mesmo carisma e coragem para administrar
tantos templos e lidar com tantos líderes de personalidades tão diferentes. O
vice-presidente da CGTA deverá assumir e manter o sistema organizacional desta
ordem jurídica. Creio ser oportuno comentar, para os que não sabem, que a Ninfa
Nair não é a vice-presidente. Ela chegou a ocupar esta função por ocasião do
registro da ordem, mas o estatuto foi alterado posteriormente.
Dentro da CGTA os Mestres que
costumeiramente substituíam o Trino Ajarã, nas consagrações em que ele não
podia estar presente, continuarão a exercer está função. Como ficará a
organização das escalas e cronogramas deverá ser definido posteriormente, porém
é importante dizer que a outorga da realização das consagrações nas ausência do
Trino deve ficar em vigor.
Muitos se perguntam se devem
recorrer ao Trino Sumanã, pois é o único Trino consagrado por Tia Neiva que
ainda está encarnado. Outros questionam se não seria a hora de voltar ao Templo
Mãe... Salve Deus! Considero isso uma decisão muito pessoal e intuitiva. Cada qual
deve seguir o caminho que lhe faça feliz dentro da Doutrina! Pai Seta Branca
deseja que possamos ser felizes no cumprimento desta missão.
A ausência do Trino Ajarã ainda
trará muitos questionamentos, aos quais me atrevo a responder por ter a
consciência livre e entender que caso não exista tendenciosidade na pergunta,
eu devo responder!
Sobre “deixar como está”... A ausência
do Trino traz uma certa insegurança sobre o registro espiritual das
Consagrações. Eu entendo que o sistema da “Regência Ajarã” resolve este
problema, pois o Trino não deixou um substituto e, embora a Ninfa Nair tenha se
colocado à disposição para atender às últimas consagrações marcadas, ela mesma
reconhece que o comando é do Doutrinador.
Sobre “solicitar ao Trino Sumanã”...
Mestre Michel tem procurado atender a todos que lhe procuram, estando
pessoalmente ou enviando um Regente, no mesmo sistema do Trino Ajarã.
Sobre “voltar ao Templo Mãe”...
Salve Deus! Considero que nunca saímos de lá! A Doutrina é uma só e Pai Seta
Branca é o mesmo em todos os templos. Não existem ordem jurídicas na
espiritualidade. Porém é preciso tomar conhecimento das diferenças de condução
e até mesmo de Leis e intepretações da Lei promovida pelo Trino Ypoarã, Mestre
Raul. E também conhecer seus representantes...!!!
Creio que qualquer decisão que
lhe traga maior tranquilidade será a correta. Não estou para puxar a brasa para
a sardinha de ninguém e tão pouco para criticar qualquer solução citada. Sempre
entendi a Doutrina como uma só e se a partida de Tia Neiva, do Tumuchy, do
Araken, não interrompeu seu crescimento, igualmente a partida do Trino Ajarã não
interromperá.
Viveremos tempos de
questionamentos e avaliações. Cada uma das vertentes e seus líderes ou
pretensos líderes será perscrutado por aqueles que desejam apenas a Doutrina em
sua essência e não se preocupam com posições. Os “alpinistas doutrinários”
surgirão em enxurrada, buscando galgar posições pelos favores ofertados... Mas
estes... Estes nunca fizeram parte da Doutrina.



Kazagrande